Língua e Literatura

Motivo – Cecília Meireles

Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

— não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

— mais nada.

Em “Motivo”, poema lírico de natureza metalinguística, as estrofes homogêneas e as rimas regulares demonstram a presença da tradição no contexto moderno, enquanto a musicalidade, que vem da constância rítmica, constitui forte elemento de procedência simbolista.

Os comentários estão desativados.