Língua e Literatura

Confidência do Itabirano – Carlos Drummond de Andrade

Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente, nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferro nas calçadas.
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e sem horizontes.
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
é doce herança itabirana.

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:
este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;
este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa…

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!

(Carlos Drummond de Andrade)

Esse poema é um autorretrato que apresenta alguns traços da personalidade do poeta. Drummond indica logo na primeira estrofe as percentagens de ferro nas calçadas de Itabira e nas almas de seus habitantes. A alma do itabirano, apenas um pouco menos dura do que as calçadas, tem oitenta por cento de ferro. A foto é uma figuração do passado que se torna presente e cotidiana em sua moldura. Itabira perde-se no passado, torna-se uma imagem vazia, apenas uma foto, que todavia conserva seu poder afetivo, pois ainda dói.

Os comentários estão desativados.