Língua e Literatura

Romantismo em Portugal

Principais autores do Romantismo em Portugal

PRIMEIRA GERAÇÃO: composta por autores que abordaram temas ligados à cultura e à história portuguesas.
Almeida Garret (1799-1854): pioneiro do Romantismo português, privilegiou a cultura de seu país. É autor do poema Camões (1825), marco inaugural do Romantismo em Portugal. Escreveu Viagens na Minha Terra (1846), romance de viagem pelo interior de Portugal; Folhas Caídas (1853) e Flores sem Fruto (1844), que reúnem os melhores poemas do autor.
Alexandre Herculano (1810-1877): historiador, ambientou romances e contos na Idade Média. É autor de Eurico, o Presbítero (1844), romance sobre o celibato clerical.
SEGUNDA GERAÇÃO: caracteriza-se pelo aprofundamento das propostas românticas, como a liberdade da imaginação, a visão egocêntrica do mundo, a melancolia e a obsessão com a morte. O período ficou conhecido como Ultrarromantismo, que também influenciou os autores brasileiros.
Camilo Castelo Branco: em cerca de 100 obras, destacando-se a prosa, narra histórias de paixão e tragédia. Amor de Perdição conta a história de Simão e Teresa, jovens apaixonados de famílias inimigas. Em Amor de Salvação, um rico herdeiro, traído e infeliz, “salva-se” ao perceber o amor de uma prima.
TERCEIRA GERAÇÃO: Afastou-se dos excessos do Ultrarromantismo, moderando a dramaticidade das situações e sentimentos.
Julio Dinis: compõe retratos idealizados das famílias portuguesas. É autor de As Pupilas do Senhor Reitor. Nesse romance, lançado em formato de folhetim, em 1863, Margarida e Clara vivem conflitos amorosos.

Os comentários estão desativados.