Língua e Literatura

Das palavras aéreas – Cecília Meireles

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Ai, palavras, ai, palavras,
sois de vento, ides no vento,
no vento que não retorna,
e, em tão rápida existência,
tudo se forma e se transforma!

Sois de vento, ides no vento,
e quedais, com sorte nova!
Ai, palavras, ai palavras,
que estranha potência, a vossa!
Todo o sentido da vida
principia à vossa porta;
o mel do amor cristaliza
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria, derrota…

A liberdade das almas,
ai! com letras se elabora…
e dos venenos humanos
sois a mais fina retorta:
frágil, frágil como o vidro
e mais que o aço poderosa!
Reis, impérios, povos, tempos,
pelo vosso impulso rodam…

Detrás de grossas paredes,
de leve, quem vos desfolha?
Pareceis de tênue seda,
sem peso de ação, nem de hora…
– e estais no bico das penas,
– e estais na tinta que as molha,
– e estais nas mãos dos juízes,
– e sois o ferro que se arrocha,
– e sois o barco para o exílio,
– e sois Moçambique e Angola!

Ai, palavras, ai palavras,
leis pela estrada afora,
erguendo asas muito incertas,
entre verdade e galhofa,
desejos do tempo inquieto,
promessas que o mundo sopra…

Ai, palavras, ai, palavras,
mirai-vos: que sois agora?

-Acusações, sentinelas,
bacamarte, algemas, escolta;
– o olho ardente da perfídia,
a velar na noite morta;
– a umidade dos presídios,
– a solidão pavorosa;
– o duro ferro de perguntas,
com sangue em cada resposta;
– e a sentença que caminha,
– e a esperança que não volta,
– e o coração que vacila,
– e o castigo que galopa…

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Perdão podíeis ter sido!
– sois madeira que se corta,
– sois vinte degraus de escada,
– sois um pedaço de corda…
– Sois povo pelas janelas,
cortejo, bandeira, tropa…

Ai, palavras, ai palavras,
que estranha potência, a vossa!
Éreis um sopro na aragem…
– sois um homem que se enforca!

(Cecília Meireles – Do Romanceiro da Inconfidência)

Os comentários estão desativados.